Logo Gestão Engenharia
Atendimento Gestão Engenharia
Notícia
Imazon: desmatamento mantém estabilidade, degradação dispara
Data: 21/08/2013



O resultado do último mês no calendário do desmatamento – que começa em agosto e termina em julho do ano seguinte – foi apresentado na tarde desta segunda-feira (19) pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon e mostra que a perda de floresta na Amazônia Legal sofreu uma pequena alta de 9% em julho. Foram detectados 152 km² de desmate na Amazônia Legal, contra 139,5 km² registrados no mesmo mês no ano passado.
O Estado do Pará manteve-se no primeiro lugar do ranking de campeões em corte raso, responsável por 38% do total desmatado no período. A pavimentação do trecho da BR-163, que corta parte do estado, é apontada como responsável pelo aumento dos fatores de pressão sobre a floresta. Em entrevista publicada aqui em ((o))eco, Rômulo Batista, da campanha da Amazônia do Greenpeace, explica a preocupação com o aumento do desmatamento no entorno da estrada, que já atingiu a Terra Indígena do Baú, em Novo Progresso (PA).

Além do Pará, o desmate em julho ficou concentrado nos estados do Amazonas (28%), Mato Grosso (24%) e Rondônia (9%). No Amazonas, o desmatamento na região de Apuí tem se intensificado. O Ibama mantém uma base do Onda Verde na região para reprimir o desmate ilegal.
“Apuí tem um processo de ocupação diferente dos outros municípios do Amazonas. Foi formada devido a assentamentos o Incra e tem tradição com a pecuária. Os desmatamentos observados nesse município está muito centrado na área de assentamento, ao longo da Trasamazônica”, explica Heron Martins, do Imazon.

Com o tempo seco na Amazônia, foi possível monitorar 92% da área florestal, já que as nuvens se dissiparam.
Na taxa do acumulado do ano, que soma os números registrados em cada mês, entre agosto de 2012 e julho de 2013, o desmatamento aumentou 92%: Saltou de 1047 km² registrados entre agosto de 2011 a julho de 2012 para 2.007 km² no período posterior.

Degradação aumenta em julho
 
A degradação florestal somou 93 km² no mês de julho, um aumento de 237% comparado com julho de 2012, quando foram detectados 27,5 km² de floresta degradada. Os especialistas chamam de degradação florestal a ocasião onde há queimadas ou corte seletivo de árvores, mas não queda de toda área. É um estágio anterior do desmatamento em si, também conhecido como corte raso.
 
A temporada de aumento de queimada, que acontece normalmente nesta época do ano por causa do tempo seco, fez a taxa da degradação disparar. Porém, olhando para taxa acumulada no período (agosto 2012 a julho 2013), houve redução de 22% no número de degradação florestal. Neste período, o fenômeno atingiu 1.555 km². No período anterior (agosto de 2011 a julho de 2012), a degradação somou 2.002 km².

Gestão Engenharia - Meio Ambiente e Agrimensura
Av. Nossa Senhora das Graças, 176 Loja 3
Guarapiranga - Ponte Nova / MG
CEP: 35430 - 214
Desenvolvimento MD7 Layouts